Blog

Demonstrativo do Fluxo de Caixa

Aprenda a analisar o fluxo de caixa para gestão da sua empresa

Gabriela Zanelato Maccarini
Gestão de Conteúdos
Endomarketing de conteúdo e engajador
21 Julho 2020 | Terça-feira 08h30

O DFC é um relatório que mostra as entradas e saídas de dinheiro do caixa de uma empresa e quais foram os resultados desse fluxo. Com ele, pode-se entender e analisar a capacidade de uma empresa de gerar caixa em um determinado período por meio dos seus pagamentos e recebimentos em dinheiro.

Ao contrário do fluxo de caixa que projeta o caixa da empresa no futuro, o DFC nos mostra o desempenho das contas caixas/bancos no passado e presente, geralmente ele responde às perguntas que os empresários fazem ao financeiro: 
  • Qual a origem de nossa disponibilidade nos caixas/bancos?
  • Qual foi o destino do nosso dinheiro nesse período?
  • Tínhamos X reais em caixa/banco mês passado, porque agora estamos assim? 
Embora alguns negócios não tenham obrigatoriedade em apresentar este relatório, analisá-lo pode fazer a diferença em qualquer ramo de negócio. O DFC apresenta uma visão geral sobre os fluxos de caixa de uma empresa, podendo o gestor analisar todas as entradas e saídas em dinheiro de sua empresa, dentro do período estipulado, e confrontar com as contrapartidas.

Essa informação é de extrema importância, visto que garantir um fluxo de caixa positivo irá definir se a sua empresa vai obter sucesso, e cumprir com suas obrigações, sejam elas legais e/ou financeiras. 

Estrutura de um DFC


Para analisarmos o DFC, primeiro devemos separá-lo para entender cada uma das partes que compõem sua estrutura. Abaixo temos uma imagem de um DFC retirada do Ema ERP com dados ilustrativos para melhorar seu entendimento.



O DFC é composto basicamente por 3 seções, que serão listadas e explicadas abaixo, e também pela seção de contas disponíveis, que mostrará o saldo de cada conta de acordo com o período informado.
 
Atividades operacionais

Essa parte do DFC representa, como o próprio nome já diz, tudo o que é relacionado as principais atividades/operações da empresa, nisso pode-se incluir pontos como:
  • Recebimento de vendas (+)
  • Pagamento dos colaboradores e/ou fornecedores (-)
  • Pagamento de impostos e/ou juros (-), entre outros
Os termos usados são importantes e fazem a diferença na interpretação, no DRE usamos receitas e despesas, no DFC usamos recebimentos e pagamentos, pois nele consta apenas os lançamentos que movimentaram alguma conta financeira.

 
Atividades de investimento

Nessa parte do DFC ficam todos os recursos destinados a manutenção da empresa, e criação de novos negócios. De forma simples, são investimentos realizados com o objetivo de gerar um retorno financeiro (ROI) para a empresa. Entram nessa seção da análise do DFC contas como aplicações financeiras, aquisição imóveis, automóveis, novos negócios, entre outros.

 
Atividades de financiamento

Nesta seção, encontram-se principalmente atividades relacionadas ao financiamento da empresa, como empréstimos e afins.

Métodos de
aplicação do DFC

Existem dois modos possíveis de trabalhar com a análise do fluxo de caixa, sendo eles:

 
Método direto
Quando utilizado este método, os fluxos de caixa são diretamente correspondentes aos recursos que foram recebidos e pagos pela empresa. É o método mais confiável, por envolver a análise das movimentações que de fato ocorreram no período, e por esse motivo é o mais aderente ao DFC.
  • Este é o método que consta em nosso produto Ema ERP.
 
Método indireto
Já no método indireto, os fluxos de caixa são deduzidos a partir do lucro líquido da empresa, com ajustes diversos feitos a partir do Balanço Patrimonial, de forma a utilizar as variações do balanço para compreender a variação de caixa. Ele é relativo aos lucros ou prejuízos que constam no DRE, e por não ser o mais preciso não é tão utilizado.
 

Resultado do DFC

O resultado do DFC é garantido através da soma de todos os resultados (líquidos) das contas de Atividade mencionadas acima (Operacionais, de Investimento, e de Financiamento). É preciso igualar a diferença dos saldos do início e do fim do período analisado.

Se a sua empresa ainda não possui um sistema de gestão e você não tem o costume de analisar periodicamente o fluxo de caixa da sua empresa, entre em contato conosco e saiba como fazer a gestão do seu negócio de forma simples e rápida através do Ema ERP. 

Na Ema, temos consultores especializados em gestão e você ainda poderá contar com um acervo de mais de 800 vídeo-aulas sobre nossos produtos, que vão lhe servir de apoio sempre que preciso para que você tenha as informações que você precisa em sua mão, e com poucos clicks.